Mais Saúde: Informações nas embalagens dos alimentos

Conheça um pouco mais sobre os rótulos dos alimentos e, na hora da compra, saiba se o produto é adequado para sua saúde.

Entendendo os rótulos dos alimentos

Os rótulos são ricos em informações sobre os produtos e essenciais para que você faça a melhor opção na hora da compra. Principalmente pessoas com restrições alimentares por doenças crônicas ou intolerâncias e alergias, devem lê-los com atenção para saber se o produto é adequado para sua saúde. As informações devem ser claras e precisas, orientando a escolha dos alimentos.

Imagem: Pexels

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é o órgão responsável pela regulação da rotulagem de alimentos no Brasil. Ela estabelece as informações que um rótulo deve ter, visando à garantia de qualidade do produto e à saúde do consumidor.

Termos utilizados

Porção: é a quantidade média do alimento que deve ser usualmente consumida por pessoas sadias a cada vez que o alimento é ingerido, promovendo a alimentação saudável.

Medida caseira: indica a medida normalmente utilizada pelo consumidor para medir alimentos. Por exemplo: fatias, unidades, potes, xícaras, copos, colheres de sopa. A apresentação da medida caseira é obrigatória. Essa informação vai ajudar você, consumidor, a entender melhor as informações nutricionais.

%VD: o Percentual de Valores Diários (% VD) é um número em percentual que indica quanto o produto em questão apresenta de energia e nutrientes em relação a uma dieta de 2.000 calorias. (baseado na pirâmide brasileira )

Valor energético – 2.000 kcal/8.400 kg (baseado em 60% de carboidratos, 15% de proteínas e 25% de gorduras).

Carboidratos – 300 g
Proteínas – 75 g
Gorduras Totais – 55
Gorduras Saturadas – 22 g
Gorduras Trans. – Não há valor diário de referência para as gorduras trans.
Fibra Alimentar – 25 g
Sódio – 2.000 MG

Modelo de Tabela de Informação Nutricional nos rótulos

Se tiver outros minerais e vitaminas com pelo menos 5% do VD (valor diário), eles também poderão constar na tabela nutricional.

Significado dos itens da Tabela de Informação Nutricional nos rótulos

Valor energético
É a energia produzida pelo nosso corpo, proveniente de carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem nutricional, o valor energético é expresso em forma de quilocalorias (kcal) e quilo joules (kg).
Obs.: Quilojoules (kJ) é outra forma de medir o valor energético dos alimentos, sendo que 1 kcal equivale a 4,2 kJ.

Carboidratos
São os componentes dos alimentos cuja principal função é fornecer a energia para as células do corpo, principalmente do cérebro (massas, arroz, açúcar, mel, pães, farinhas, tubérculos e doces em geral).

Proteínas
São componentes dos alimentos necessários para a construção e a manutenção dos nossos órgãos, tecidos e células (carnes, ovos, leites e derivados, e leguminosas).

Gorduras totais
As gorduras são as principais fontes de energia do corpo e ajudam na absorção das vitaminas A, D, E e K. As gorduras totais referem-se à soma de todos os tipos de gorduras encontradas em um alimento, tanto de origem animal quanto de origem vegetal.

Gorduras saturadas
As gorduras saturadas estão presentes em alimentos de origem animal. Por exemplo: carnes, toucinho, pele de frango, queijos, leite integral, manteiga, requeijão, iogurte. O consumo desse tipo de gordura deve ser moderado porque, em grandes quantidades, pode levar  ao aumento  do risco de desenvolvimento de doenças do coração. Alto %VD significa que o alimento apresenta grande quantidade de gordura saturada em relação à necessidade diária de uma dieta de 2.000 Kcal.

Gorduras trans ou ácidos graxos trans
Tipo de gordura encontrada em grandes quantidades em alimentos industrializados como margarinas, cremes vegetais, biscoitos, sorvetes, snacks (salgadinhos prontos), produtos de panificação, alimentos fritos e lanches salgados que utilizam as gorduras vegetais hidrogenadas na sua preparação. O consumo desse tipo de gordura deve ser muito reduzido, considerando que o nosso organismo não necessita dela e ainda porque, quando consumida em grandes quantidades, pode aumentar o risco de desenvolvimento de doenças do coração.
Obs.: O nome trans é devido ao tipo de ligações químicas que esse tipo de gordura apresenta.

Fibra alimentar
Está presente em diversos tipos de alimentos de origem vegetal, como frutas, hortaliças, feijões e alimentos integrais. A ingestão de fibras auxilia no funcionamento do intestino. Procure consumir alimentos com alto %VD de fibras alimentares.

Sódio
Está presente no sal de cozinha e alimentos industrializados (salgadinhos de pacote, molhos prontos, embutidos, produtos enlatados com salmoura) devendo ser consumido com moderação, uma vez que o seu consumo excessivo pode levar ao aumento da pressão arterial. Evite os alimentos que possuem alto %VD em sódio.

Imagem: Pixabay

Lembre-se:

– Os valores da informação nutricional variam em função da composição do produto.

– Se o valor da porção ou medida caseira não corresponde ao que você ingere, basta fazer a conta proporcional para verificar as informações correspondentes.

Exemplo: se as informações nutricionais de um pão de forma são apresentadas para 2 fatias e você possui o hábito de comer apenas 1 fatia, para saber a quantidade de energia e nutrientes que você ingeriu, basta dividir por 2 os valores da tabela.

Importante também observar no rótulo:

  • O tipo de adoçante (ou edulcorante), no caso de consumidores diabéticos, ou com controle de açúcares na alimentação.
  • Se o alimento é diet ou light, se o consumidor pode consumi-los (falaremos sobre esse tema em outra post).
  • As recomendações e as advertências (alguns deles, como ciclamato e sacarina, não são indicados para hipertensos).
  • A validade do produto.
  • Presença de corantes e conservantes (importante para alérgicos) e outros alergênicos (peixes, crustáceos, soja, trigo, amendoim, ovo, leite, oleaginosas).
  • Quanto à lactose, desde 2015 os rótulos devem conter:
    • “Zero lactose”, “sem lactose” ou “não contém lactose”: para produtos com quantidade menor do que 100mg por 100g de produto, ou 0,1% de concentração;
    • “baixo teor de lactose” ou “baixo em lactose”: produtos que contenham quantidade entre 100mg até 1g por 100g de produto (0,1% a 1% de concentração);
    • “contém lactose”: uma variação para a presença na quantidade acima de 100mg por 100g do item, ou 0,1%.

 Antes disso, as empresas já eram obrigadas a alertar somente para a presença ou não de glúten como forma de controle da doença celíaca (por força da Lei Federal 10.674/2003).

A ANVISA recentemente (em 7/10/2020) aprovou a nova rotulagem nutricional para alimentos industrializados. A inovação é a inclusão de um selo em forma de lupa, que deverá estar visível (imagem preta em fundo branco), na frente das embalagens, como alerta para a presença exagerada de nutrientes como a gordura, sal ou açúcar, ingredientes prejudiciais à saúde.

 A quantidade de açúcar total e a informação sobre a quantidade de açúcar adicionado devem ser apontadas cuidadosamente .

A resolução entrará em vigor 24 meses após a publicação da norma. Em alguns casos, a indústria terá até 36 meses para se adequar às exigências.

Haverá também padronização das letras do rótulo que deverão ser pretas, estampadas em fundo branco e sofrerão um aumento de tamanho – corpo de 6 a 10.

Imagem: Pixabay

A maneira como são impressas atualmente, sem padronização, muitas vezes torna difícil a leitura dos mesmos, confundindo o consumidor na hora da escolha de seus produtos.

Portanto, ler os rótulos e estar atento às informações neles contidas, garante ao consumidor detalhes sobre o conteúdo do produto para que ele saiba exatamente o que está comprando e ingerindo, favorecendo escolhas saudáveis e de melhor adequação à suas necessidades.

Imagem: Pexels

Patricia Peres
Nutricionista – CRN 5119

Fonte:
Manual de Orientação aos Consumidores ANVISA – Educação para o Consumo Saudável.
https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2020/aprovada-norma-sobre-rotulagem-nutricional
Imagem: freepik – pch_vector

Acesse o Sistema CEPEUSP
CEPEUSP - 50 anos