Mais Saúde: Postura e dores nas costas.

Neste texto, o Prof. Luzimar explica sobre a importância dos bons hábitos posturais em adultos e crianças, nas situações do cotidiano, para evitar as dores nas costas.

Atualmente, as lombalgias representam a segunda maior causa de afastamento do trabalho. Este e outros problemas posturais estão associados a diversos fatores, como o sedentarismo, os postos de trabalho mal adaptados e o stress. Acredita-se, entretanto, que a aquisição de conhecimentos a respeito da postura corporal em suas diversas dimensões pode minimizar o efeito destes problemas na idade adulta. 

Em um programa de Atividades Físicas Adaptadas, como realizado no CEPEUSP, procura-se ensinar aos alunos como lidar com sua dor no cotidiano, através do conhecimento da etiologia de sua dor, da modificação de hábitos posturais e da prática de exercícios físicos adaptados e adequados a cada caso. Durante as aulas, os alunos aprendem noções de anatomia e biomecânica da coluna vertebral, além de aspectos relacionados à patologia e à dor, em uma ação preventiva que chamamos de educação postural. Realizam exercícios físicos de alongamento, fortalecimento e de relaxamento.

Imagem: Freepik

Alinhamento de Estruturas Corporais

Muitos fatores estão envolvidos na determinação da atitude postural de um indivíduo. Destaca-se a existência de traumatismos, hábitos, debilidades musculares, herança e atitude mental. A estrutura morfológica da coluna vertebral é outro fator que determina diferenças posturais entre indivíduos. Apesar das diferenças individuais, acredita-se que do ponto de vista fisiológico existe uma boa postura para cada indivíduo. O alinhamento de estruturas corporais refere-se ao alinhamento de alguns centros articulares em relação à linha da gravidade. Com um bom alinhamento de determinadas estruturas anatômicas, o corpo apresenta sua eficiência máxima com um mínimo de stress e esforço. Quando não há um alinhamento adequado de certas estruturas do corpo, surgem os desvios posturais acarretando sobrecargas maiores em alguns segmentos corporais para compensar a disfunção de outros. Além de facilitar o equilíbrio estático, o alinhamento corporal pode determinar um menor gasto energético e um menor desgaste articular de todo o aparelho locomotor na manutenção da postura. Se o corpo está fora de alinhamento ocorrerá maior sobrecarga numa região provocando danos para determinadas estruturas.

Imagem: Freepik / Kjpagenter

No CEPEUSP, desenvolvemos atividades de avaliação do alinhamento corporal dos alunos e atividades que contribuem para a otimização deste alinhamento. Em relação à otimização do alinhamento corporal, estimulamos a prática de exercícios de alongamento e de resistência muscular localizada para as regiões do corpo onde encurtamentos e falta de resistência muscular são mais comuns. A prática bilateral de exercícios é estimulada, pois se verifica uma possível tendência a desvios laterais da coluna quando um membro é mais solicitado do que o outro. Esportes unilaterais estão associados com uma alta incidência de escolioses, ombros assimétricos e coluna assimétrica, sendo necessária uma compensação para que estas alterações sejam minimizadas.

Sobrecargas mecânicas.

O aparelho locomotor humano está constantemente exposto às sobrecargas mecânicas que são geradas pelas atividades que ele realiza. A própria manutenção de posturas inadequadas por um longo período de tempo pode significar aumento da sobrecarga imposta a alguma estrutura corporal. Quando estas sobrecargas são de grande magnitude, o aparelho locomotor pode sofrer danos como fraturas e lesões. Vamos abordar os principais tipos de sobrecarga mecânica a que está exposta a coluna lombar, devido a grande incidência de lombalgias e hérnias de disco que surgem nesta região da coluna vertebral, na população de adultos em idade ativa.

No mundo todo, as lombalgias representam um grave problema de saúde pública, gerando um grande ônus aos setores previdenciário e de saúde. Existem muitos fatores que explicam esta alta incidência de dores na região lombar. A idade está diretamente ligada ao aumento da propensão às dores lombares. O envelhecimento do tecido que compõe o disco intervertebral, torna-o menos espesso devido a alterações em sua nutrição normal, o que determina a diminuição da capacidade deste disco de suportar cargas. As dores ocorrem principalmente na região lombar porque é a região que suporta cargas geradas pelo peso corporal que interagem com forças adicionais geradas por levantamentos de pesos e outras atividades que envolvem força dos músculos lombares. Então, hábitos posturais incorretos que podem determinar um aumento da sobrecarga na coluna lombar estão diretamente relacionados a uma exposição mais precoce do indivíduo às dores nesta região. Torna-se importante verificar quais são as posturas corporais e os exercícios físicos que geram maior sobrecarga para a coluna lombar, para que se possa prevenir o surgimento de dores nesta região.

Imagem: Freepik

Sobrecarga ao sentar-se

A pressão no disco intervertebral lombar aumenta significativamente quando, ao sentar, a pessoa inclina o tronco a frente e trabalha sem apoiar os membros superiores. A menor sobrecarga no disco lombar é verificada na posição sentada com o apoio das costas a uma inclinação de 120o e quando há, além disso, um suporte específico para a coluna lombar.

Sobrecarga ao ficar em pé

Na posição em pé, há um aumento da sobrecarga em relação à posição deitada e esta é maior ainda quando ocorre uma inclinação do tronco à frente ao carregar-se um peso. Em situações onde a posição em pé deve ser inevitavelmente mantida por alguns minutos, sugere-se que uma das pernas seja apoiada numa superfície a alguns centímetros do chão. Nesta posição, ocorre uma flexão do quadril e consequentemente, a redução da tensão do músculo e da lordose lombar, resultando numa compressão menor da coluna lombar.

Outras atividades

Quando se carrega um peso longe do eixo principal do corpo, o braço de alavanca para a realização do movimento aumenta, gerando em contrapartida maior sobrecarga nos discos lombares. Desta forma, quanto mais próximo do corpo o peso a ser carregado estiver, menos sobrecarga será imposta à coluna lombar.

Sobrecarga na coluna lombar durante a realização de exercícios físicos

A partir de conhecimentos anatômicos, fisiológicos e biomecânicos da coluna vertebral, temos estratégias que atendem as necessidades de realização de movimentos, nas diversas faixas etárias que atuamos, sem criar sobrecargas excessivas para a coluna vertebral dos alunos. Assim, incluímos nas aulas, exercícios compensatórios às solicitações mecânicas exigidas pelos movimentos realizados naquela sessão. Alongamentos de músculos paravertebrais, exercícios de tração e relaxamento são muito adequados para minimizar a sobrecarga da coluna vertebral, principalmente na região lombar. Para grupos de terceira idade, isto se torna mais necessário ainda, já que há uma grande correlação entre nutrição do disco intervertebral e idade. Para estes grupos e para pessoas que já apresentam dores na região lombar, além dos exercícios compensatórios, deve-se evitar também os movimentos que geram maior sobrecarga.

Freepik: Kjpagenter

Os bons hábitos posturais são importantes nos adultos para evitar síndromes dolorosas posturais e nas crianças para evitar sobrecargas anormais nos ossos em crescimento e alterações adaptativas em músculo e tecido mole. Então, para todos os grupos, é indispensável que se ensine bons hábitos posturais para situações do cotidiano, como por exemplo, qual a melhor posição corporal para dormir, para carregar pesos, para manter-se em pé e outras. A mecânica correta nas posturas corporais deve ser realizada em aula, para que o professor possa corrigir possíveis erros e para que seja feita uma adequação dos diferentes padrões de movimento para cada aluno. Além disso, no CEPEUSP, orientamos na adaptação dos ambientes de trabalho, estudo e da casa dos alunos, verificando possíveis adaptações das carteiras escolares e do mobiliário de casa, como mesas do computador, sofás, cadeiras e colchões.

Prof. Dr. Luzimar Teixeira
CEPEUSP

Acesse o Sistema CEPEUSP
CEPEUSP - 50 anos